(21) 2445-4941 (21) 97236-2929

Av. das Lagoas, 12 - Gardênia Azul (Jacarepaguá), Rio de Janeiro/RJ

Notícias da paróquia › 19/04/2017, 07:09

Uma igreja construída pela comunidade

A terça-feira santa é uma data importante para a comunidade paroquial de Santa Luzia. Entre os acontecimentos significativos está o início da construção da igreja, que levou quatro anos para ser concretizar. No dia 11 de abril de 2010, o Arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, celebrou uma missa campal para dar abertura à obra e cavou a primeira sapata.

Antes da construção, quem chegava à paróquia Santa Luzia encontrava uma pequena igrejinha e um galpão com telha de amianto, onde eram celebradas as missas e realizadas as demais atividades paroquiais. Por conta do crescimento da comunidade, o espaço começou a ficar pequeno e foram surgindo as primeiras ideias de ampliação da igreja. Com a chegada do pároco, padre Robert Chrząszcz, a ideia de ampliação foi colocada em prática. O templo seria construído do zero e a igrejinha que existia até então seria demolida.

Paróquia Santa Luzia antes das obras

Antiga Capela do Santíssimo Sacramento

Início das obras

Visão geral do início das obras da nova igreja

Durante as obras as missas eram realizadas nessa igreja temporária

Padre Robert e o grupo de trabalhadores

Dom Orani celebra missa campal

A concretização de um sonho

Depois de quase cinco anos de trabalho pesado, a construção da tão sonhada igreja foi concluída. Hoje é possível acomodar confortavelmente mais de mil pessoas e o que resta para ser feito do projeto inicial são apenas detalhes internos.

O engenheiro responsável pelo projeto, o paroquiano Fausto Gomes da Fonte, esteve presente em todos os momentos da obra, desde que foi feito o primeiro buraco no terreno. Ele contou um pouco de sua história com a comunidade.

“Eu e minha falecida esposa começamos a frequentar a paróquia, quando ainda era uma pequena capela, pertencente a paróquia de Nossa Senhora do Loreto, na Freguesia. Depois da proposta de construir uma igreja, fomos convidados pelo padre Robert para ajudar na comissão de obras que já existia, então eu fiquei responsável pelo projeto, feito pelo arquiteto Luiz Neves, autor do plano básico e de grande parte dos detalhamentos”, relatou.

Fausto explicou que por providência divina muitos católicos colaboraram na empreitada. Paroquianos que fizeram grandes doações em dinheiro e dezenas de outros que doaram o trabalho braçal e materiais de construção. As 50 sapatas usadas no alicerce da estrutura foram doadas, além do material para levantar as 12 colunas internas que sustentam o telhado – associadas aos 12 apóstolos -. Segundo ele, participar deste processo foi uma grande bênção de Deus.

“Sempre me senti muito gratificado em trabalhar aqui. Foi uma realização pessoal que eu não tenho como descrever. Graças a Deus sempre recebi muito da vida, fui muito abençoado por Deus; tive saúde e uma família bonita. Então me sentia no dever de retribuir com alguma coisa tudo aquilo que recebi de Deus. Minha esposa sempre me incentivou e esteve sempre junto comigo, e a medida em que os trabalhos foram avançando, nós nos sentíamos gratos como cristãos”, completou.

Paróquia depois da obra concluída